Brasileira conquista o “Oscar da Voz” na Califórnia

Em 2010, Sheylla mudou-se para os EUA para aprimorar o idioma inglês, mas as oportunidades fizeram com que ela decidisse permanecer no país

A dubladora Sheylla Gonçalves concorreu na categoria “Conjunto de Trabalho de Destaque, Língua Estrangeira – Melhor Voiceover”

O termo “dublagem” vem do francês “doublage” que significa duplicação de voz, o termo, mesmo por ser gringo, já está no dicionário português, assim como aconteceu com a palavra “estresse” derivado de “stress”. Os primeiros filmes sonoros apareceram em 1925, mas o cinema começou a “dublar” somente em 1927 com o filme “The Jazz Singer” que incluía algumas falas, porém o primeiro filme totalmente dublado foi “Luzes de Nova York”, lançado em 1929. O recurso da dublagem permitiu o aprimoramento da qualidade sonora dos filmes, visto que os equipamentos de filmagens eram extremamente barulhentos, o que nem sempre permitia uma boa captação do som. Foi também uma boa solução para as tomadas externas em condições adversas. Alguns países não tem o costume da dublagem para cinema, deixando a dublagem somente para desenhos animados, no qual não precisa um estudo detalhado da fala dos personagens, ao contrário de filmes, por exemplo.

Talento brasileiro:

Conquistando admiradores ou não, a popularidade da dublagem resultou na criação do prêmio “Voice Arts Awards” pela Society of Voice Arts & Sciences (SOVAS), nos EUA. A cerimônia está em sua 5ª edição e esse ano premiará os melhores talentos de 2018, incluindo a carioca Sheylla Gonçalves. Ano passado, ela havia concorrido à categoria “Diretora de Elenco”, na dublagem da Turma da Mônica para o idioma espanhol, na série “Mônica y sus amigos”. Ela foi a primeira brasileira a ser indicada ao prêmio, cuja entrega acontecerá no Warner Bros Studios, em Burbank (CA), no domingo (18), com direito a tapete vermelho.

Sheylla carrega na bagagem profissional o Teatro Tablado (RJ), graduação em Artes Cênicas  com Licenciatura em Educação Artística (SP) e a Casa & Companhia de Artes Avancini. Em 2010, ela mudou-se para os EUA para aprimorar o idioma inglês, mas as oportunidades fizeram com que ela decidisse permanecer no país, onde descobriu o fascínio pela produção, direção e dublagem.

Em 2018, Sheylla foi escolhida na categoria “Conjunto de Trabalho de Destaque, Língua Estrangeira – Melhor Voiceover”, assim como os profissionais Rona Fletcher, Ruben Raffo, Memo Sauceda e Sylvia Villagran.

ENGLISH TRANSLATION BELOW:

Dubbing specialist, Sheylla Gonçalves, competed in the category “Outstanding Body Of Work – Foreign Language – Best Voiceover”

The term “dubbing” comes from the French “doublage” which means duplication of speech, the term, even for being gringo, is already in the Portuguese dictionary, just as happened with the word “stress” derived from “stress”. The first sound films appeared in 1925, but the cinema began to “dub” only in 1927 with the film “The Jazz Singer” that included some speeches, but the first fully dubbed film was “Lights of New York”, released in 1929. The dubbing feature allowed the improvement of the sound quality of the films, since the filming equipment was extremely noisy, which did not always allow a good capture of the sound. It was also a good solution for external outlets in adverse conditions. Some countries do not have the custom of dubbing for cinema, leaving the dubbing only for cartoons, in which it does not need a detailed study of the speech of the personages, unlike films, for example.

Brazilian talent:

Conquering admirers or not, the popularity of dubbing resulted in the creation of the “Voice Arts® Awards” by the Society of Voice Arts & Sciences (SOVAS) in the USA. The ceremony is in its 5th edition and this year will award the best talents of 2018, including the Rio Sheylla Gonçalves. Last year, she had participated in the category “OUTSTANDING CASTING”, in the dubbing of Monica’s Class for the Spanish language, in the series “Mônica and his friends.” She was the first Brazilian to be nominated for the award, to be held at Warner Bros Studios in Burbank (CA) on Sunday, November 18), with a red carpet.

Sheylla carries in the professional luggage the Teatro Tablado (RJ), graduation in Performing Arts with Degree in Artistic Education (SP) and the House & Company of Arts Avancini. In 2010, she moved to the US to improve her English, but the opportunities made her decide to stay in the country, where she discovered the fascination for production, direction and dubbing.

In 2018, Sheylla was nominated in the category “Outstanding Body Of Work – Foreign Language – Best Voiceover”, as well as professionals Rona Fletcher, Ruben Raffo, Memo Sauceda and Sylvia Villagran.